terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A fragilidade das leis brasileiras. Demolições no bairro de Perdizes.

 Reprodução: Google Street View


Foi com a frase: "Então, eu quero que vão para o raio que os parta",  que o proprietário dos sobradinhos das Perdizes, recebeu a repórter da Folha de São Paulo. 

É um absurdo, São Paulo a cidade sede da Copa do Mundo de 2014, a maior cidade da América Latina ainda tenha que conviver com esses descasos. Leis frágeis e  falta de fiscalização a cidade vive uma onda de demolições de imóveis que estão sendo estudados ou mesmo protegidos pelo pelos órgãos competentes.

Eu acho que deveriam congelar este terreno e não deixar nada ser construído no local! 

Segue matéria da Folha de São Paulo

Casas em processo de tombamento vão ao chão em Perdizes, em SP


VANESSA CORREA
DE SÃO PAULO
Apesar de protegido por processo de tombamento, um conjunto de quatro sobrados dos anos 1940 veio ao chão na quinta passada em Perdizes, zona oeste de São Paulo.

As casas faziam parte de um estudo do Conpresp (órgão do patrimônio histórico municipal), aberto em setembro. No processo, 63 imóveis do bairro seriam avaliados e poderiam ser tombados.
Os sobrados demolidos na rua Monte Alegre com a Turiaçu estavam no processo "por se tratar de um tipo de ocupação que predominou no período entre 1940 e 1950, antes da verticalização da região", segundo o Conpresp.
O dono, Carlos Manoel dos Santos Eloy Rodrigues Pereira, 58, afirma que não havia sido comunicado sobre a abertura de tombamento e que tinha o alvará de demolição. "Então, eu quero que vão para o raio que os parta". 

Ele diz que o conjunto foi construído pelo seu avô para obter renda com o aluguel, "como fazia todo português". Afirma que vai construir um prédio, também para locação.

8 comentários:

Hora de Preservar disse...

Mas isso acontece porque uma grande parcela do povo brasileiro só importância para carnaval, futebol e novela.

Hélio Bertolucci Jr. disse...

Eu até concordo com as posições dos proprietários que reclamam que não tem muitos incentivos para que se preserve antigas edificações. Creio que o Prefeito e o Governador tenham que reformular tudo isso e não só se preocupar - claro também é importante, com metrô e linhas de ônibus. Ninguém mais aguenta tantos edifícios.

Rafael Alvarenga disse...

No imóvel dos outros é refresco! Concordo com a preservação de imóveis que tragam características arquitetônicas de determinada época, mas não há nenhuma indenização ou incentivo por parte do Município para que o proprietário mantenha o imóvel e possa fazer as reformas necessárias. Gostaria de ver você, meu caro bloggeiro, com todo seu patrimônio investido num imóvel tombado pela prefeitura, arcando sozinho com todas as depesas de manutenção (diga-se de passagem que é um valor elevado, uma vez que trata-se de uma construção antiga), aguardando algum interessado em alugar ou um louco disposto a comprar. O que você faria? Provavelmente ficaria furioso e diria que esse é o país dos absurdos. Sendo assim, concordo com o proprietário.
"Então, eu quero que vão para o raio que os parta" !

Hélio Bertolucci Jr. disse...

Prezado Rafael,

Apesar da minha indignação quanto as demolições no bairro das Perdizes, este blog é muito crítico quanto a falta de recursos e incentivos fiscais para quem tem imóvel preservado. Conheço alguns pessoalmente aqui em Sampa que sofrem para manter em dia o imóvel preservado. Um deles é o Casarão do Belvedere do meu amigo Paulo Goya. Outro, apesar de super bem cuidado pela Global Editora, é a casa de Ramos de Azevedo. Eles pagaram uma fortuna para restaurar e ainda pagam altissimos valores de IPTU daquele casarão. Todas essas leis, tanto do Compresp quanto do Condephaat precisam ser revistas, no que tange a preservação e a incentivos aos seus proprietários. Por isso todo mundo está querendo demolir, aqui no Brasil não vale a pena ter um imóvel preservado!

Rafael disse...

Caro bloggeiro,
Hoje tive a infeliz surpresa de constatar que o meu comentário não foi publicado. O Brasil está desta forma, com a corrupção correndo solta e falta de transparência pelas autoridades que o governam, devido a pessoas como você, que manupulam a opinião pública, e na mídia aberta, só publicam o que é conveniente e esteja de acordo com a sua opinião pessoal. O espaço que você tem na internet deve ser usado com responsabilidade. Se quiser escrever o que vem na cabeça e divulgar para quem quiser ler, deve estar aberto para críticas, construtivas ou não.

Hélio Bertolucci Jr. disse...

Caro Rafael,

Estão todos os seus comentários publicados. Apesar de fazer este trabalho como hobby, não tenho este espaço na internet para manipular ninguém. Assim como respeito suas opiniões, espero que respeite a minha, apesar de não ser o que você talvez ache que eu seja! Não estou do lado das leis da Prefeitura e do Governo do Estado e minha crítica está até na "Apresentação" do blog. Perca um pouco mais de tempo e navegue por outras informações deste espaço. Os "comentários" não são publicados diretamente, pois diariamente recebo inúmeros spams como comentários.

Carlos Manuel dos Santos Eloy Rodrigues Pereira disse...

Pimenta no dos outros é refresco. Coloque o seu na reta e quero ver se o Senhor continuaria a defender os tombamentos. Que me conste estamos vivendo em um pais democrático e não na terra da Rasputin. Sendo assim continuo afimando " Vão todos ao raio que os partam".

Hélio Bertolucci Jr. disse...

Prezado Carlos,

Porque ao inves de criticarem não apresentam o porque não devem exiistir tombamentos.

Este espaço é aberto, público e de opiniões. Por isso como você mesmo diz, vivemos num país democrático e não na terra da Rasputin.

Cada qual tem o direito de opinar nos assuntos que lhe convierem.