sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Baixo Augusta

A Rua Augusta, partindo da Av. Paulista sentido Centro, está se redescobrindo. De área degradada agora é alvo de um boom imobiliário, não só nesta rua como em outras da região.

Já estão pipocando na região novos bares, restaurantes, teatros e danceterias. Nos finais de semana a rua é invadida por um multidão de jovens em busca de diversão. 

Com todo esse redescobrimento, antigos imóveis, ou melhor dizendo, os que ainda restam, estão sendo demolidos para que se formem terrenos para receber empreendimentos. 

Contudo, algumas casas ainda sobrevivem a todo este boom imobiliário e passam despercebidas da maioria da população. Estes imóveis são do período da época em que a Rua Augusta era chamada de Maria Augusta, parte bucólica e tranquila da cidade.

Baixo Augusta

Imóvel da época do Centenário da Independência

Baixo Augusta

Antigo casarão, agora utilizado comercialmente. Ao lado, um estacionamento.

Baixo Augusta

Uma das poucas casas ainda na sua originalidade, com muita vegetação e árvores
frutíferas. Este imóvel tem como vizinhos estacionamentos.


Baixo Augusta

Escondido entre prédios e área comercial.

Baixo Augusta

Demolido recentemente para ser um pequeno estacionamento


Baixo Augusta

Sobrevivente ao lado de um novo empreeendimento que vai da Rua Augusta
até a Rua Bela Cintra. (Demolida em julho/2011)

Baixo Augusta

Uma  sobrevivente das antigas casas geminadas

Baixo Augusta

A casa vizinha que foi demolida. Imagem - Google Street View

Imóvel demolido - Google Street View


Baixo Augusta

Outro imóvel escondido por área comercial

Baixo Augusta

Uma casa abandonada, talvez do anos 1950, na Rua Augusta esquina com Rua
Avanhandava

3 comentários:

Hard Candy disse...

Fantástico registro, deveria ter escrito mais!!! e deveria ir daqui para os jornais, manda! Sou fã.

Hora de Preservar disse...

A prefeitura deveria dar algum incentivo aos proprietários que se interessassem em preservar seu imovel,pois é muito mais caro restaurar do q reformar.
Através do IPTU por exemplo.

Hélio Bertolucci Jr. disse...

Eu acredito que a Prefeitura ofereça algum benefício, mas isto não é feito em toda cidade, já que a maior visibilidade fica em torno do que é denominado Centro Histórico. Se isso fosse aplicado por toda cidade com certeza muitas pessoas olhariam seus antigos imóveis com outros olhos.
Na cidade de Buenos Aires, imóveis da década de 1940 já são preservados.